Gota

Gota é uma doença inflamatória que acomete principalmente as articulações e é caracterizada pela elevação de ácido úrico no sangue.É importante saber que nem todas as pessoas que estiverem com a taxa de ácido úrico elevada  serão portadoras de gota. A maioria dos portadores de gota é composta por homens adultos.
Entre as causas da gota temos:
- Ausência congênita de um mecanismo enzimático responsável pela excreção do ácido úrico pelos rins. Sem a eliminação adequada, há um aumento da concentração desse ácido no sangue;
- Produção excessiva de ácido úrico pelo organismo devido a um "defeito" enzimático. Neste caso, a pessoa produz uma grande quantidade de ácido úrico e os rins não conseguem eliminá-la. Esta causa é menos comum.
- Alguns medicamentos como diuréticos e o ácido acetilsalicílico podem levar à diminuição da excreção renal do ácido úrico.
Geralmente o primeiro sintoma é um inchaço do dedo grande do pé acompanhado de dor forte. A primeira crise pode durar de 3 a 10 dias, e após este período o paciente volta a levar uma vida normal, o que geralmente faz com que ele não procure ajuda médica imediata. Outras articulações como joelhos e tornozelos também podem ser afetadas.
Uma nova crise pode surgir em meses ou anos e comprometer a mesma ou outras articulações. Geralmente as crises de artrite aparecem nos membros inferiores, mas pode haver comprometimento de qualquer articulação.
Não há cura definitiva para a gota, já que a maioria dos casos acontecem devido a falhas na eliminação ou na produção do ácido úrico. Como ambas as causas são genéticas, o tratamento não é definitivo.Geralmente são indicados dieta e medicamentos para diminuir a taxa de ácido úrico no sangue e, conseqüentemente, evitar as crises de gota.
Algumas medidas dietéticas devem ser adotadas:
- evitar uma dieta hipercalórica, pois leva à obesidade que é um fator de risco para os portadores de gota;
- evitar o consumo de gorduras;
- evitar o consumo excessivo de álcool, sobretudo os fermentados (cerveja e vinho), pois podem desencadear a crise aguda;
- evitar o uso diário de alguns alimentos ricos em AU (miúdos, frutos-do-mar, enlatados...)
-  aumentar a ingesta hídrica ('beber mais água").
Fonte: drauziovarella.com.br

Edição Impressa

Edições Anteriores

Mais Notícias

Conectado

COLUNISTAS

|  Todos os direitos reservados Desenvolvido por OdNet Marketing & Web