Osteocondrite

A osteocondrite dissecante  do joelho é uma causa relativamente comum de dor e limitação funcional em criança e adolescente.Geralmente a doença ocorre no joelho de atletas mirins envolvidos em esportes competitivos submetidos a treinamentos intensos.Trata-se de uma doença adquirida em que o osso subcondral (osso abaixo da cartilagem)torna- se avascular,  desestabilizando a cobertura cartilaginosa e,se não ocorrer a reversão do processo (consolidação), o complexo osso-cartilagem, sujeito a forças de impactoe de cisalhamento do esporte, pode separar-se completamente doseu leito ósseo, determinando irregularidade articular e até a formação de corpos livres.

A osteocondrite dissecante do joelho pode ser subdividida em duas formas:

 1. Osteocondrite dissecante juvenil (OCDJ) 2.  osteocondritedissecante do adulto (OCDA)-  Quando não respondem satisfatoriamente ao tratamento, ambas as formas apresentam tendência a sequelas tardias, inclusive a osteoartrose (OA).

A queixa básica é a dor e o inchaço do joelho afetado que pode ser exacerbada pela atividade física. Sensações de  estalidos e até bloqueios articulares podem ocorrer em casos de corpos livres articulares.

O processo apresenta-se entre 13 e 21 anos e os sinais físicos podem estar relacionados com olocal da lesão. A  atrofia do músculo quadríceps  pode estar presente em casos sintomáticos de longa duração.

O local mais comumente afetado é a face posterolateral do côndilo femoral medial, zona de carga dos côndilos femoral medial e lateral e superfície patelar.

Diagnóstico geralmente é realizado através do exame clínico associado a exames radiográficos simples, tomografia computadorizada (TC) e ressonância magnética (RM) .

 

O tratamento é reralizado através das seguintes medidas:

 1. Repouso, muletas e medicação

 O sucesso  ocorre mais frequentemente antes do fechamento da cartilagem de crescimento. As lesões estáveis têm prognóstico melhor.

As orientações incluem a medicação   analgésica  e anti-inflamatória, a redução da carga (muletas) e a utilização de imobilizador .

A restrição totaldas atividades físicas pode determinar a resolução do processo  em pacientes mais jovens.

A duração do tratamento conservador não está claramente estabelecida, mas  provavelmente não deve ser prolongada além de seis meses, se não houver evidência de resolução clínica e por exames de imagem.

 2. Tratamento cirúrgico

 A cirurgia estará indicada nos casos em que o tratamento conservador falhar e para os casos de lesões instáveis ou deslocadas, em especial para a OCDA.

Lembre-se a avaliação de um médico é de extrema importância para que o tratamento seja realizado corretamente

Edição Impressa

Edições Anteriores

Mais Notícias

Conectado

COLUNISTAS

|  Todos os direitos reservados Desenvolvido por OdNet Marketing & Web