Joelhos femininos

Cada vez mais as mulheres estão tomando seu espaço. Isto também ocorre na área dos esportes Um exemplo é o futebol feminino que cada vez mais está em ascendência. Se por um lado temos vários pontos positivos  nestas  práticas, alguns  pontos também se mostram contra elas. Os joelhos femininos tendem a ser problemáticos por natureza, até porque costumam ser do tipo valgo, isto é, ligeiramente virados para dentro. Essa postura aumenta as chances de lesões como a condromalácia , um desgaste da cartilagem entre o fêmur, o osso da coxa, e a patela, antes conhecida como rótula. Na mulher, o problema é mais frequente porque o joelho valgo força essa cartilagem. 

Não podemos nos esquecer, ainda, dos hormônios. As mulheres têm mais um motivo para reclamar da famosa TPM. Nesse período, em que o corpo acumula água, o joelho, não é exceção. Cheio de líquido, fica à mercê de contusões em qualquer impacto.

As mulheres tiveram uma mudança de perfil esportivo. Antes, praticavam mais o handebol e no máximo o vôlei  .Agora participam de modalidades de maior impacto futebol e corrida de aventura  e de maneira bem mais competitiva.

A saída para prevenir boa parte dos problemas é preparar o corpo especificamente a área do joelho antes de cair de cabeça em qualquer esporte. Não importa a modalidade, sempre é bom reforçar os membros inferiores praticando sessões de musculação intercaladas aos treinos.

Um aquecimento que simule os movimentos do esporte também é benéfico, deixando a articulação a postos. E, claro, os calçados podem fazer toda a diferença. Eles precisam de um bom sistema de amortecimento para absorver o impacto, minimizando o trabalho dos joelhos. O ideal é escolher um modelo específico para o esporte que será praticado

Quando as lesões aparecem, a saída pode ser o bisturi. E o processo de recuperação pode ser  lento. Para ter uma idéia, são necessários seis meses até que alguém com o ligamento cruzado anterior rompido possa voltar a se exercitar sem problemas. Além do mais, uma contusão grave como essa pode indicar que a pessoa tem uma predisposição para o incidente. Paciência e fisioterapia, mais do que nunca, são fundamentais. Quem desiste e não se trata direito dificilmente volta aos esportes. E quem não pratica um esporte, por sua vez, pode ter dores de cabeça muito piores do que as dos problemas nos joelhos

 

Fonte: http://saude.abril.com.br

Edição Impressa

Edições Anteriores

Mais Notícias

Conectado

COLUNISTAS

|  Todos os direitos reservados Desenvolvido por OdNet Marketing & Web