E que venha a COPA

Com a aproximação da copa, varias são as  reações desencadeadas  da emoção do torcedor durante os jogos. O cérebro age como um capitão e faz com que várias substâncias entrem em jogo mexendo com todo seu organismo. 

Veja a seguir:

OLHOS: para que você não perca nem um detalhe do gramado, suas pupilas se dilatam para que entre mais luminosidade. A lágrima fica mais fluida pelo mesmo motivo. Os olhos da torcida brilham quando seu time entra em campo.

CORDAS VOCAIS: elas ficam inchadas antes mesmo do apito inicial. Isso acontece porque aumenta o aporte sanguíneo ali. . Isto pois, elas precisam estar aptas para berrar a qualquer instante.

O córtex cerebral é que avisa: é jogo do Brasil tal dia, tal hora, . O hipocampo julga se isso é importante. É a sua seleção? Então o coração acelera e  por fim a amígdala pode levá-lo a lágrimas ao ouvir o hino nacional.

O córtex guarda o que você sabe a respeito de uma partida. Os dados migram para o hipocampo e  a amígdala, que dão peso emocional e interagem com outras áreas cerebrais. Essa por sua vez gera  gera perguntas e hipóteses: o Brasil tem chance de ganhar? E com elas o estresse preparando o corpo para se ajustar à realidade.

Com a ansiedade criada pela massa cinzenta, sobem os hormônios do estresse. O cortisol nas alturas mexe com o fígado que libera mais açúcar no sangue ( o corpo precisa mais energia para torcer).

A adrenalina e noradrenalina também aparecem durante o jogo no susto de um lance. A primeira se há medo de perder e a segunda vai aos picos no momento da raiva.Os hormônios sobem e caem varias vezes durante os 90 minutos de jogo.

Na hora do jogo, se o adversário marca gol, as emoções negativas potencializam o estado de alerta. O ímpeto de reagir do cérebro dispara até mesmo os movimentos, sem notar você se mexe mais e transpira mais.

Segundo pesquisadores de Boston, EUA, 10 vezes maior é o risco de um sujeito sofrer infarto se ficar muito irritado durante a partida.

Os vasos se contraem demais, e se já existir uma placa ali... Cada xingamento com rancor é uma oportunidade para um piripaque cardíaco.

Já se o gol for da sua seleção, o cérebro irá causar uma explosão festiva de reações orgânicas. Todo aquele açúcar no sangue será usado para pular de alegria.

 

Fonte: Revista Saúde é Vital

Edição Impressa

Edições Anteriores

Mais Notícias

Conectado

COLUNISTAS

|  Todos os direitos reservados Desenvolvido por OdNet Marketing & Web