De olho na Balança

Antigamente nossos avós mediam a saúde pela  bochecha corada e pela gordurinha que tínhamos. Até parece ontem "que bonita,tá gordinha, rosada, tá com saúde". Porém hoje a gordurinha começa a preocupar especialistas que cada vez mais observam crianças acima do peso e com a circunferência abdominal acima do normal.

Fast food, salgadinho, refrigerantes, começaram a ser alimentos rotineiros das crianças e isto está fazendo com que várias doenças, que, antes eram praticamente só de adultos começam a  aparecer cada vez mais cedo.

Já estão sendo realizados estudos, e os resultados preocupam, pois, mostram que o  excesso de gordura abdominal em crianças e adolescentes  está alta podendo acarretar problemas na fase adulta. Outro detalhe que vem sendo demonstrado que algumas crianças que estão dentro do peso, apresentam circunferência abdominal acima do desejado e já sabemos que esta gordura no ventre é bem mais prejudicial que as formadas nos braços e pernas. 

Alguns pediatras ainda não tem como rotina a medida da cintura nas crianças, mas provavelmente,  este será mais um tópico da avaliação dentro de alguns anos, visto o resultados dos estudos feitos. Tratando e prevenindo o excesso de peso e as condições atreladas a ele é possível evitar problemas futuros como infartos e derrames.

Em casa podemos ajudar nossos filhos ficando de olho no seu abdome e seguindo regras de boa saúde. Nela incluem-se:

1. Faça uma reeducação alimentar, rica em frutas, legumes e saladas, pobre em alimentos industrializados, refrigerantes, fast foods. Isto não significa que seu filho não possa comer um hambúrguer, um cachorro quente,  de vez em quando, mas que não seja diariamente. Assim como o refrigerante, que durante a semana pode ser substituído por sucos naturais e água.

2. Atividade física: procure tirar seu filho de frente da TV, do computador. Tire um tempo, chute bola, vá ao parque com ele, faça alguma atividade. Além de mandar para longe o sedentarismo, isso fortalece a relação familiar.

3. Procure orientação especializada: se você desconfia que seu filho pode estar entre estas crianças com a barriga rechonchuda, procure a  avaliação de um profissional especializado. Eles poderão fazer uma avaliação minuciosa, observando vários fatores que determinarão os riscos de seu filho adquirir no futuro uma doença como diabetes, hipertensão , entre outras. Lembre-se que é muito mais importante você tirar um tempinho agora para seu filho do que ver ele doente no futuro.

Edição Impressa

Edições Anteriores

Mais Notícias

Conectado

COLUNISTAS

|  Todos os direitos reservados Desenvolvido por OdNet Marketing & Web