Grão de Chia

Cultivado desde 2600 a.C, o grão de chia era consumido por maias e astecas para turbinar sua resistência física. No século 16, as plantações foram suprimidas pelos espanhóis assim que conquistaram a América. No início de 1990, pesquisadores argentinos em parceria com a Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, retomaram as plantações buscando pesquisas. Atualmente ele é o "queridinho" para o tratamento de vários problemas..
 A  chia tem sabor semelhante ao das nozes, é fonte de ácido graxo ômega-3, proteínas, fibras, substâncias antioxidantes e minerais como fósforo, cálcio, ferro e magnésio, ela é uma tremenda parceira à mesa contra inúmeros males.
Um deles é o excesso de peso, que nos dias de hoje representa uma epidemia. Este efeito seca-cintura tem a ver com as doses generosas de fibras encontradas no grão, que deixa a digestão mais lenta, prolongando a saciedade.
As fibras da chia também  auxiliam  quem tem o intestino travado, contribuem para formar e eliminar o bolo fecal.  Porém,  para obter o benefício, é preciso ingerir líquidos de modo adequado.
Possui muito mais ômega-3 do que a linhaça, que auxilia na prevenção de problemas do coração. Além de ser um bom anti-inflamatório, ela tem ação direta no controle da pressão arterial e na redução do colesterol e dos triglicérides.
O tratamento do câncer de mama também ganha reforços com o grão andino. Estudos constataram que os animais alimentados com seu óleo tiveram uma diminuição no tamanho do tumor e no número de metástases. E as perspectivas em relação a outros cânceres são igualmente animadora, pois, o grão  tem alto teor de antioxidantes.
A chia está na lista de alimentos com baixo índice glicêmico e  ameniza a resistência à insulina: facilita o aproveitamento da glicose pelas células, e evita que o açúcar fique sobrando na circulação.
Como absorve e retém a água, o grão prolonga a hidratação e a presença de minerais no organismo. Devido à elevada concentração de proteínas, pode facilitar o ganho de massa muscular.
É possível adicioná-la a frutas, cereais, saladas, sopas e iogurte. Moída, é uma boa substituta da farinha em receitas de massas, pães e biscoitos. Uma opção é deixá-la na água até formar uma gelatina.  Você encontra: em forma de grão, farinha ou óleo. Possui cerca de 371 cal/100 g.

Fonte:http://saude.abril.com.br

Edição Impressa

Edições Anteriores

Mais Notícias

Conectado

COLUNISTAS

|  Todos os direitos reservados Desenvolvido por OdNet Marketing & Web